Liberdade…O que é liberdade ? Será que implica escolher o que pensar, o que sentir e como agir? Será que é ser fiel à nossa natureza mais íntima ? Será que é expressar a totalidade de quem somos ?

Sabemos contudo que durante a nossa vida passamos por uma série de condicionamentos físicos e psicológicos desde a infância que geram distorções em nossos sentidos e na percepção da realidade ao nosso redor. Isso nos torna “cegos” e, por vezes, não entendemos porque temos determinadas emoções e ações. Provoca “dor”. Afinal há uma cisão entre nossa natureza mais elevada e o “eu humano”. Dentro de nós os ímpetos “sombrios” vão se acumulando e, com medo de admitir nossas vulnerabilidades e enfrentar-se, acontece a autossabotagem e a autodestruição.

Desta forma não se tem liberdade, pois o corpo físico doente fica limitado e a mente fica condicionada por dogmas e convenções sociais.
À menos que encontremos meios seguros e saudáveis de liberar nosso Ser, poderá haver manifestações inadequadas e potencialmente perigosas.
O que fazer ? Examinar com coragem e equilíbrio nossa sombra e usar esse potencial energético com consciência.

É aqui que entram as ” práticas de yoga” que servem como ferramenta para que o indivíduo, através do bem estar do corpo, da saúde da mente e do auto-conhecimento, não permita que haja uma “guerra”, uma “cisão” entre o “eu” e o “ego”. Afinal yoga é um estado de consciência no qual o indivíduo busca a “união” com sua própria Essência, com o Cosmos…ou seja : um estado de liberdade.

O yoga será então um facilitador para que a pessoa conheça sua sombra e trabalhe com a mesma a seu favor, buscando liberdade.

Stela Marcia Richter
fev./ 2011